sábado, 2 de abril de 2011

A Rosa do Inverno

Oiee povinho meu,

Eu andei uns dias sem postar nada consistente, eu sei kkkk mas é q estava me refazendo (as vezes a vida impõe isso...). Mas, voltei com meu surto criativo para postagens :D
E tem tanta coisa que me dei conta de que quero falar *-* entao, nem liguem se houver excessos kkkkkkk

Uma (sim, uma) das resenhas de hoje é do livro "Where Roses Grow Wild" ou, para nós (tradução que por sinal acheii lindaaaa), "A Rosa do Inverno".

Sinopse

"Quando o dever se converte em prazer…
Edward Rawlings faria qualquer coisa para não assumir o título de duque e ter de passar seus dias cumprindo as obrigações burocráticas do cargo. Por isso, não pensa duas vezes antes de viajar para a Escócia e encontrar a única pessoa que poderia substituí-lo: o sobrinho Jeremy, o menino de dez anos que era o verdadeiro herdeiro do título.
Órfão, o pequeno Jeremy vive num casebre com a tia Pegeen, uma mulher com opiniões demais para a época. Ela não quer que Jeremy cresça mimado e rodeado de riqueza. Mas sabe que Edward pode oferecer ao menino oportunidades de que ela jamais seria capaz-e aceita mudar-se para a propriedade dos Rawlings, na Inglaterra.
Acostumado a conseguir qualquer mulher, Lord Edward enlouquece com a sensualidade e os olhos verdes de Pegeen, que estava longe de ser a tia solteirona que ele havia imaginado. Mas Pegeen não está disposta a fazer mais concessões.
No entanto, ao chegar à mansão, ela logo percebe o risco que corre. Sempre movida pela razão, Pegeen sente que dessa vez seu coração está tomando as rédeas. Ela pode resistir ao dinheiro e ao status, mas conseguirá resistir a Edward?"


2560499ggwg7 [Romance] A Rosa do Inverno   Patricia Cabot (Meg Cabot)

Eu amoooo esse livro. Ele é o máximoooo. Maravilhosooo *-*
E amo os personagens também *-*

O Edward é o tipo Bad-Boy do século XIX kkkkkkkkk e a Pegeen... bem... a Pegeen tem um temperamento muitoo parecido com o meu kkkkkkkkkkkk.
Ela é loucaaaa. Quer dizer, o povo fala "para a época", mas, ainda hoje, quem pensa como ela (como nós rsrssrs) ainda é considerada estranha kkkkkkkk
Ela acredita na independência das mulheres. No poder da voz ativa e da argumentação (na maioria das vezes quando a raiva nao fala mais alto rsrsr). Da educação feminina (na época, mulheres nao deviam ler demais, muito menos as coisa feministas q ela lia. *como o Gaston, de A Bela e a Fera disse: isso faz elas pensarem. Urgh...*). Da ajuda ao próximo como causa principal da vida; Na escolha própria do ser humano, sem se importar para o querer ou achar da sociedade (esse é o comportamento considerado mais escandaloso, so nao entendi o pq ainda)... E o principal de tudo: não acredita nem um pouco em casamentos *-*

Siim, assim como eu, ela vê o casamento como forma de repressão da independência, numa causa nada justa. (mas afinal de contas, ela tem toda a razão, nao acham? casar-se para quê? o casamento sempre foi e sempre será um contrato criado pelos homens para manter o poder e controle sobre as mulheres. Isso é fato).

Infelismente, tudo muda quando ela é obrigada a ir para Rawlings e passa a conviver com o Edward. Pois vou confessar, aquele cara sabe ser chato kkkkkkkk tipo, não chato de chato, pq ele é o máximo kkkkkkk mas, eu digo chato porque fica repreendendo e dizendo a Pegeen o que fazer a toda hora, como se toda a filosofia de vida dela fosse errada. Isso quando ele não é nem de perto o exemplo de moral. E além do mais, ela é a tia do Jeremy, entao tem muito mais poder para tratar dos assuntos referentes a ele do que o Edward. Foi ela que o criou não?
Mas, ela acaba se apaixonando por ele, e é ai que a duvida mais cruel das duvidas aparece: oq fazer?
Tipo, naquela época, o casamento era a unica saida... E ela nao ia aceitar se casar com ele, de maneira alguma. Seria inaceitavel.
Sim, é uma duvida cruel, mas ela fica com ela durante todo o livro kkkkkkkkk
Acredito, entretanto, que esse é um dos pontos mais fortes da historia. Pq eu tbm fiquei me perguntando oq faria na situação dela kkkkkkkk 

Ela ainda tem de levar em conta, o fato de o Edward ser irmão do homem que desgraçou a vida da irmã dela, oq causou na deixa de Jeremy na situação de ser criado pela tia (pequena ainda) e o avô, numa situaçao de quase miséria. E, apesar de o Edward se demonstrar uma pessoa sensata, não se pode negar que é um libertino. sendo assim, quem garante que é mesmo diferente do irmão?

O livro é muito mara. Cheio de altos e baixos e cenas marcantes *-* tipo, tem umas horas q dá vontade de bater no Edward kkkkkkk Mas, em outros momentos, ele se mostra tão fofoo *-*
Poderia falar milhares de coisas para definir o quanto é bom. Mas basta uma: é um livro da Tia Meg. Nao precisa de mais nada, certo?

Vejam, como está a sinopse na Saraiva:

"A Rosa do Inverno é um romance leve, com boa dose de romantismo, forte aroma de sensualidade e uma pitada de suspense. Fala de paixão arrebatadora e indevida, de destino e escolha. Mas, sobretudo, é uma história que acende o debate sobre a condição feminina, o papel, os desejos, os temores da mulher. Ao confrontar o instinto de se entregar a um homem e a decisão de manter a independência, a Patricia Cabot faz do livro um espelho dos dilemas femininos."

Esse é o livro um. Depois, temos "Portrait of My Heart", ou "Retratos do meu coração"  da mesma série. Mas, esse segundo relata a historia do Jeremy (que por sinal, é outro livro muito boom *-*)


Ahh, um ponto legal que nao posso me esquecer, o livro tem esse nome, pq é um duplo sentido kkkk se refere a imagem que a Pegeen representa em Rawlings, mas tbm é claramente uma referencia as rosas da estufa da Duquesa, mãe de Edward. Olhem esses trechos, referentes:

“Oh” disse Jeremy. “Pegeen gosta de jornais. E de livros também. Você ouviu o que o meu tio disse, Pegeen? Você vai ter livros e jornais, tantos quanto quiser.”
“Eu ouvi”, disse Pegeen impassível.
Edward apressou-se a acrescentar: “E ela vai ter uma renda para gastar como quiser, de não menos de mil por ano e…”.
“E uma cavalo de verdade?”, perguntou Jeremy novamente. “Todo meu?”
“Sim. E uma estufa em que as rosas crescem o ano todo, até no inverno.”
Pegeen mordeu o lábio inferior e, ao afastar os dentes pequenos e regulares, deixou-os suculento e vermelho como sangue. “Agora o senhor está simplesmente sendo ridículo. Quem já viu falar de rosas o ano todo, especialmente em Yorkshire?”
Edward tentou tirar os olhos da boca da moça, que tinha a forma de arco e era muitíssimo desejável. Ele se perguntou se vigário a tinha beijado e sentiu um profundo arrependimento por não ter surrado o homem. “Pois no Solar Rawlings temos as rosas”, disse ele. "Não estou lhe contando mentiras. Venha comigo e veja por si mesma"[...]

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

“A senhora, a falecida duquesa, adorava as flores”, disse a governanta, conduzindo Peggen pelo longo e mal iluminado corredor. “Ela adorava tanto que ficava bastante deprimida durante os longos invernos de Yorkchire, quando não havia nenhuma cor no pântano. O duque, portanto, mandou construir este lugar ao abrigo do vento, onde o sol poderia aquecê-lo, e importou as mais lindas plantas e flores que eu já vi, pagando uma quantia muito extravagante para que o lugar fosse aquecido de novembro a março. Mas, quando a duquesa morreu, o falecido duque, talvez compreensivelmente, deixou a sala deteriorar. Foi trancada e nunca mais foi usada… até que o próprio duque faleceu. Lord Edward então mandou um homem de Londres recuperar a estufa. As flores que ele trouxe, plantas e até mesmo pequenas árvores e uma fonte… Bem, a senhorita pode ver por si mesmo. Agora a estufa é um tributo ao afeto de Lord Edward por sua mãe…”


>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>


Deixei a curiosidade? rsrsrs

Bye XoXo Bye

Um comentário:

  1. Quero muito ler esse livro *--* e também Retratos do meu coração! "Patricia" Cabot, arrasa, rs \o

    ResponderExcluir